terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

domingo, 15 de junho de 2014

Conselheiro Luiz Augusto Ribeiro rebate no Pleno as acusações do deputado Augusto Bezerra

Em pronunciamento feito na sessão plenária do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE) ocorrida na última quinta-feria, 12, o conselheiro Luiz Augusto Ribeiro disse ter sido surpreendido, na terça-feira anterior, com diversas ligações de amigos, companheiros de trabalho e representantes da imprensa dando conta do "linchamento midiático" produzido em razão de denúncias feitas pelo Deputado Estadual Augusto Bezerra relacionadas a uma suposta ingerência sua no Processo n. 2594/2011, que tramita no Tribunal, cujo interessado, segundo o Deputado, seria o vereador João Messias Soares de Souza, do Município de Telha. 
 Ocorre que, de acordo com Luiz Augusto, basta um simples busca no site do TCE para se constatar que tal processo, decorrente de uma reclamação trabalhista que tem como origem a Prefeitura de Nossa Senhora das Dores, sequer tem como interessado o vereador citado. "Qualquer pessoa que se proponha a consultar o sobredito processo não chegará a outra conclusão senão a de que o Deputado tenta induzir a sociedade a erro, tenta induzir os segmentos da imprensa a erro, tenta induzir as instituições a erro", afirmou. Mais do que isso, o conselheiro ressaltou não haver qualquer processo no âmbito do TCE, sob sua relatoria, que tenha como interessado o vereador João Messias Vieira de Souza. Luiz Augusto remeteu ainda aos seus mais de 35 anos de vida pública, sendo 31 deles no Tribunal de Contas do Estado de Sergipe: "nunca tive meu nome pinchado em manchetes de jornais. 
Quem me conhece bem, sabe que eu não faço uso do Tribunal para explorar benefícios de interesses pessoais, pois, se fizesse, estaria passível de responder por isso", acrescentou. 
 Confira abaixo a íntegra do pronunciamento: 
 "Quem critica a injustiça fá-lo não porque teme cometer ações injustas, mas porque teme sofrê-las." (Platão)
 (Cumprimentos) 
 1. Como membro desta Casa, como homem público, sinto-me no indisponível dever de esclarecer os fatos veiculados pelo Deputado Estadual Augusto Bezerra, na mídia falada e escrita, para que todos que integram esta Corte, para que toda a sociedade sergipana possa imparcialmente valorar tudo que levianamente foi dito pelo Deputado. 2. Caros membros, eu costumo dizer que o linchamento midiático tem o poder de fazer de qualquer inocente um criminoso potencialmente lesivo. É exatamente com base nessa premissa que precisamos refletir sobre o que vem acontecendo com esta Corte, nos últimos anos. Hoje, talvez por ser pai de um deputado, eu fui o escolhido para servir de meio para pinchar a imagem do Tribunal. Quero reafirmar que eu nutro um profundo respeito pelos representantes da imprensa sergipana, os quais, em sua grande maioria, antes de divulgarem as inverdades ditas pelo parlamentar, tiveram o cuidado de estabelecer o contato comigo, para que os fatos fossem melhor esclarecidos. Esses insignes profissionais levaram em conta os mais de 35 anos de vida pública que carrego, sem nunca ter sido manchete negativa em nenhum jornal deste Estado. Outros, no entanto, como Douglas Magalhães, Alex Carvalho e Carlos Ferreira, optaram por denegrir gratuitamente a minha imagem. 3. Sou exímio defensor da livre manifestação de pensamento. Não tenho dúvida de que os fatos devem ser esclarecidos à população, assim como reconheço o indispensável e relevante papel exercido pela imprensa. Entretanto, excelências, há de se fazer presente a advertência de Joaquim Falcão, veiculada sob o título A imprensa e a justiça, no Jornal O Globo, de 06.06.93, para quem “não pode o réu, sem defesa, ser colocado na prisão da opinião pública”. 4. Repito: tenho um profundo respeito pelos diversos segmentos da imprensa sergipana. Não por outra razão, nunca tive meu nome veiculado, pelo menos de forma negativa, como foi exposto em dois programas radiofônicos. 5. Assim como disse no dia em que fui empossado Conselheiro deste Tribunal, reafirmo: Esta Corte se tornou a minha casa, ao longo dos últimos 31 anos, quando fui empossado no cargo de Auditor. É exatamente por esse motivo que estou profundamente triste. Não me sinto confortável, assim como nenhum dos senhores se sentiria, acaso o nome de um dos senhores fosse elemento motivador à exposição do nome deste Tribunal. 6. Conselheiros, Conselheiros substitutos, Procuradores e servidores desta Casa, não me alongarei muito, para não tirar-lhes o espaço de tempo que lhes pertencem. Peço, tão somente, que ouçam atentamente, de modo que cada um dos senhores possa imparcialmente valorar tudo que foi leviana e de forma inconsequente dito pelo Deputado Augusto Bezerra. 7. Na última terça-feira, por volta do meio dia, fui surpreendido com diversas ligações de amigos, companheiros de trabalho, representantes da imprensa, que, ao se solidarizarem, externaram indignação com o linchamento midiático produzido em razão de denúncias veiculadas pelo Deputado Augusto Bezerra, dando conta de uma suposta ingerência minha no processo com registro tombado sob o n. 2594/2011, que tramita neste Tribunal, cujo interessado, segundo Augusto, é o vereador João Messias Vieira de Souza. 8. Qualquer pessoa que se proponha a consultar o sobredito processo não chegará à outra conclusão senão a de que o Deputado tenta induzir cada um dos senhores a erro, tenta induzir a sociedade a erro, tenta induzir os segmentos da imprensa a erro, tenta induzir as instituições a erro. 9. Pois bem, excelências, o sobredito processo não é da Câmara Municipal de Telha. O sobredito processo não tem como interessado o senhor João Messias Vieira de Souza. 10. Ao citar esse processo, não se pode chegar à outra conclusão senão aquela de que a intenção foi fazer com que as pessoas, desavisada e inadvertidamente, fossem até o site do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, e, num acesso rápido, visse que se tratava de um processo em que seria eu o relator. 11. Peço a cada um dos senhores que acessem ao site do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe – www.tce.se.gov.br -, cliquem em “processos e protocolos”, valham-se do campo “ano e número” e constatem tudo que aqui estou falando, e, de igual forma, chegar às suas conclusões. 12. O processo de que trata o Deputado Augusto Bezerra é um processo decorrente de uma Reclamação Trabalhista, que tem como origem a Prefeitura de Nossa Senhora das Dores, tendo como interessados os senhores Fernando Lima Costa e José Américo de Almeida Filho. 13. Mas não é só, excelências. Clamo a cada um dos senhores que façam uma busca, no site do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, com o nome da pessoa citada pelo Deputado Augusto Bezerra, o senhor João Messias Vieira de Souza. 14. Ouçam, excelências, não há nenhum processo do Senhor João Messias Vieira de Souza em que a relatoria seja do Conselheiro Luiz Augusto Carvalho Ribeiro, ou seja, deste Conselheiro. 15. Repito: Não há nenhum processo do Senhor João Messias Vieira de Souza em que a relatoria seja do Conselheiro Luiz Augusto Carvalho Ribeiro. 16. Eu me dei ao trabalho de fazer essa pesquisa, no site do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, para tentar provar a cada um dos senhores que eu não interfiro no mandato do Deputado Gustinho Ribeiro, assim como ele jamais ousaria interferir nas minhas atribuições. Primeiro, porque todos sabem do quanto eu sou preocupado com a imagem do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe. Segundo, porque fazer do Tribunal instrumento vai frontalmente de encontro às vedações impostas pelo ordenamento jurídico pátrio, do qual sou escravo. 17. Excelências, conforme declarado ao jornalista Joedson Telles, nos meus mais de 35 anos de vida pública, sendo 31 deles no Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, nunca tive meu nome pinchado em manchetes de jornais. Quem me conhece bem, sabe que eu não faço uso do Tribunal para explorar benefícios de interesses pessoais, pois, se fizesse, estaria passível de responder por isso. 18. É bom frisar, por demasiadamente oportuno: Desde quando ingressei neste Tribunal, lá no ano de 1983, eu me desvinculei integralmente das atividades político-partidárias. Eu desafio quem quer que seja a provar eventual ida minha a qualquer ato político do Deputado Gustinho Ribeiro. Para que os senhores tenham uma noção do quanto eu me preocupo em preservar a imagem desta Casa, eu nunca fui a nenhum comício dele, nunca afixei nenhum adesivo em meu carro. Portanto, tenham absoluta convicção de que eu nunca autorizei ninguém a fazer uso do meu nome, nem mesmo meu filho, razão por que se prova existir de que porventura fizeram uso do meu nome para fins ilícitos, que a esse ou a esses sejam atribuídas às responsabilidades devidas. 19. Isso porque, conforme já dito em outra oportunidade, sou sabedor de que a relevância da função de Conselheiro deste Tribunal de Contas traz em seu bojo imensa responsabilidade, o que coaduna com a experiência acumulada ao longo dos anos, o que me permite assumir o encargo com maturidade e equilíbrio comportamental, virtudes construídas e solidificadas e que carrego ao longo da vida pública, das quais não me desprendo, o que me motiva a agir cautelosamente na tomada de decisões, pois consciente de que os nossos atos terão reflexos substanciais na vida das pessoas e na administração pública, sendo imperioso o exercício diário do equilíbrio, do bom senso e da justiça, como ferramentas de atuação intrínsecas à nobre função exercida. 20. A escolha por me manifestar, aqui, no Plenário, e não por meio da imprensa, seja falada, seja escrita, deve-se ao acolhimento que sempre recebi, nesta casa, de todos os Conselheiros que por aqui passaram, ao longo das últimas décadas, de todos os Conselheiros substitutos com quem partilhei o dia a dia de trabalho e de todos os funcionários com quem convivi durante minha trajetória nesta corte, estabelecendo laços de consideração, amizade e respeito mútuo, onde criamos um ambiente saudável e profícuo do ponto de vista da convivência humana e profissional. 21. À Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe, egresso que sou daquela Casa, continuo prestando as mais sinceras e honestas homenagens, por reconhecer que ali também há homens probos e realmente compromissados com os reais interesses da coletividade. 22. Por fim, volto a reafirmar que de nossa parte todo o Sergipe pode esperar a prevalência da razão, do respeito às pessoas, à lei e às Instituições. Chego ao epílogo da minha fala, citando a frase de Francois De La Rochefoucould, que diz: “Há falsidades que simulam tão bem a verdade, que seria um erro pensar que nunca seremos enganados por elas”. Externo, senhores, o meu profundo sentimento de indignação. Um abraço fraterno em cada um que faz parte desta Casa. 
 12/06/2014 Luiz Augusto Carvalho Ribeiro 
Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe TCE

terça-feira, 27 de maio de 2014

São João de Lagarto é confirmado pela Prefeitura Municipal; 6 a 8 de junho

Acontecerá na Praça Zezé Rocha nos dias 6, 7 e 8 de junho. Local: Praça José Rodrigues do Santos - Dos "Três Poderes"
 Sexta - 06/06 - 22h Forró dos Plays Seeway Elétrico Unha Pintada
 Sábado - 07/06 - 22h Polentinha Baby Som Forrozão Elite
 Domingo - 08/06 - 22h Aviões do Forró Rojão Diferente Los Guaranis
 * Tenda com forró Pé de Serra todos os dias
 Portal Lagartense

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Poço Verde poderá ter ruas asfaltadas por iniciativa de Zé Franco

  O município de Poço Verde recebeu um importante reforço na realização de obras de infraestrutura viária. O deputado Zé Franco (PDT) assinou duas indicações que pedem o recapeamento asfáltico da rua Manoel Zacarias e do Largo da Trindade, além da reforma e pavimentação da avenida São José. A recuperação completa dessas vias possibilitará um trânsito mais seguro para a população. “Toda obra de asfaltamento traz melhorias para o local onde ela é realizada. O primeiro impacto é sentido logo pela população, que não sofre mais com a lama no inverno ou a poeira no verão", disse o deputado, ao lembrar que o trânsito também é beneficiado e a própria valorização do local torna-se uma realidade. Todas as indicações foram protocoladas na Assembleia Legislativa e encaminhadas ao governador do Estado e ao secretário de Infraestrutura, Valmor Barbosa.

sábado, 18 de maio de 2013

Fábio Reis solicita votação de projeto que isenta cobrança de INSS sobre salário de aposentados


O deputado federal Fábio Reis (PMDB-SE) solicitou ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, que inclua na pauta de votações da Casa, um projeto que extingue, gradualmente, a cobrança de contribuição previdenciária sobre os salários de servidores aposentados e inativos.
 De acordo com o projeto, que está pronto para ser votado desde 2010, será reduzido, a cada ano, 20% sobre o total cobrado dos inativos, até ser completamente extinto, após os 65 anos de idade. Atualmente, a contribuição é de 11% sobre a parte do benefício acima do teto da Previdência, que está em R$ 4.159. O parlamentar acredita que servidores inativos e aposentados já contribuíram com a Previdência Social. “A contribuição ao sistema previdenciário já foi feita. Cobrá-la após a aposentadoria é uma injustiça”, disse. 
 Sabrina Fiuza

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Comunidade de Poço Verde aguarda ansiosa a nova Dakota Calçados

O prefeito Thiago Dórea assumiu o compromisso deixado pelo seu tio e ex-prefeito, Toinho de Dorinha, em ver implementada em Poço Verde a nova fábrica da Dakota Calçados. Um investimento de mais de R$ 22 milhões, que gerará centenas de empregos diretos, beneficiando toda a população local. 
 Desde o começo, que a Prefeitura de Poço Verde tem se esforçado para atender as exigências da empresa para implementação da nova fábrica. Há época, o terreno que foi adquirido pelo Governo do Estado e doado ao Município, hoje aporta toda a estrutura de maquinários e homens que estão a todo vapor para colocar em pleno funcionamento um importante empreendimento que trará mais qualidade de vida e desenvolvimento para toda a comunidade. 
 O projeto só está sendo concebido graças aos incentivos fiscais ofertados pelo Governo do Estado, através do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI). Atualmente, em Sergipe, a Dakota Calçado já possui uma fábrica no município vizinho de Simão Dias, onde gera 2.500 empregos diretos. 
 T. Dantas

terça-feira, 5 de março de 2013

Fábio Reis e Lila Fraga viabilizam Centro de Esportes para Lagarto

No último dia 26/02, o deputado federal Fábio Reis (PMDB) participou de uma audiência com o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo. O prefeito de Lagarto, Lila Fraga (PSDB) também compareceu à reunião, onde Rebelo confirmou a construção de um Centro de Iniciação aos Esportes em Lagarto e a inserção do município no programa Segundo Tempo. “Com a chegada de eventos como as Olimpíadas e a Copa do Mundo, o governo federal acerta em ampliar o investimento no esporte, que tem também um papel de inclusão social. A construção do Centro de Iniciação aos Esportes e a chegada do Programa Segundo Tempo são iniciativas que vão beneficiar a juventude do município de Lagarto, ajudando a afastar nossos jovens das drogas, e quem sabe revelando talentos esportivos”, avaliou o deputado Fábio Reis, que ficou animado com o anúncio.
 Centro
 O Ministério do Esporte desenvolveu a concepção do Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) no âmbito da segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). O objetivo dos Centros de Iniciação ao Esporte é ampliar a oferta de infraestrutura de equipamento público esportivo qualificado, incentivando a iniciação esportiva em territórios de alta vulnerabilidade social das grandes cidades brasileiras. O projeto integra, num só espaço físico, atividades e a prática de esportes voltados ao esporte de alto rendimento, estimulando a formação de atletas entre crianças e adolescentes. Está prevista a contratação de aproximadamente 300 CIEs, em todo o Brasil, com um total de investimento de mais de R$ 800 milhões. Os municípios poderão escolher entre 3 modelos de CIEs, dependendo do tamanho do terreno a ser disponibilizado. Os projetos de arquitetura e engenharia dos CIEs serão fornecidos pelo Ministério do Esporte aos municípios elegíveis.
Segundo Tempo 
 O Programa Segundo Tempo tem por objetivo democratizar o acesso à prática e à cultura do Esporte de forma a promover o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens, como fator de formação da cidadania e melhoria da qualidade de vida, também prioritariamente em áreas de vulnerabilidade social. A ideia é manter a criança na escola após o seu horário de aulas, com práticas esportivas.
 Da Assessoria de Imprensa